sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Inconstância

     Inconstância.
     Talvez, a vida não se devesse chamar "vida", mas inconstância. Todo o universo, na verdade, não apenas a vida. Não é uma mera questão de semântica, vocabulário, ou de mera definição. Vai além da questão vernacular. Nada é estático. Em uma canção do clássico musical  "Jeckyll & Hyde", na Broadway, o protagonista - quando sob controle de seu "eu" bonzinho - brada, uma verdade digna da atenção recebida: "The only thing constant is change".
     O ilustre cientista britânico, que ilumina os sonhos dos espectadores, na Broadway - e cuja segunda personalidade, antagônica, assombra os palcos desta região ícone do teatro - não está enganado. A única coisa que continua, sempre, é a mudança. Ainda assim, para não se contradizer, a mudança não é tão constante, tendo seu ritmo alterado de forma que nos parece aleatória..
     Há mais, sejamos mais concretos: o universo está em movimento de expansão, não vai parar. O Sol, aparentemente "quietinho" no seu lugar, está em constante movimento; além disso, esta mesma estrela que nos ilumina há alguns bilhões de anos e garante nossa existência, ainda vai terminar por devorar a terra, daqui a mais alguns bilhões de anos. As pedras, os diamantes, ingênuos símbolos de resistência e durabilidade, são perfeitamente moldáveis, nem que pelas forças da natureza, e, antes que o Sol ou algum buraco negro os devore, terão sido alterados, ou mesmo desintegrados por algum processo. Aliás, achamos, mesmo, que estas coisas vão demorar muito para acontecer, mas é porque a nossa existência material é tão ínfima, que não percebemos que não passamos de um piscar de olhos, na existência do universo.
     E é assim, entre tentativas e investidas, vitórias e derrotas, sucessos e fracassos, namoros, separações, caças e parcerias, que, a cada momento, a vida e o universo se renovam, inconstantes a ponto de nunca deixar de nos surpreender! É aquela pitada de um tempero desconhecido, que dá o sabor único que nunca se repetirá em outra receita. Saboreie-a!
     Bon Appétit!

Pablo de Araújo Gomes, 08 de janeiro de 2010